Bio

Minha foto
Apaixonada por esportes desde a infância, Laura Pigossi iniciou os passos no tênis ao seis anos de idade por influência do irmão. Aos 13 anos, a paulistana disputou o primeiro torneio já na principal categoria do circuito juvenil. Dona de um estilo agressivo e versátil, Laura chegou a ser número 18 do ranking ITF ao conquistar nove títulos em duplas e um em simples. É a melhor duplista brasileira da atualidade e está próxima de figurar entre as 150 melhores do mundo. Em simples, teve como destaque em 2014 o título no ITF de Campos do Jordão, o segundo na modalidade ao longo da carreira. Representando o Brasil na Fed Cup, Laura fez parte do time que voltou a disputar os Play-offs do Grupo Mundial em abril.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

A gira brasileira começou

Estreia com vitória em simples e nas duplas em São Paulo
Após boa série pela América Central no último mês, iniciei minha participação no ITF US$ 25 mil de São Paulo, evento disputado em quadras de saibro no Club Athletico Paulistano. No primeiro dia de disputas, fiz a estreia na chave de duplas ao lado da paraguaia Montserrat Gonzalez e ganhamos por duplo 6-0 das brasileiras Julia Iglesias e Isabella Montini. Na próxima quarta-feira, enfrentamos a dupla formada por Nathália Rossi e Valeriya Strakhova pelas quartas-de-final.

Minha parceira e eu já nos conhecemos há bastante tempo e, em 2014, jogaramos juntas em dois ITFs nos Estados Unidos. Nos torneios do ano passado fomos bem, o entrosamento foi rápido e minhas expectativas são ótimas. Montserrat chegou a São Paulo embalada pela vitória do Paraguai no Zonal Americano I da Fed Cup em decisão exatamente contra o Brasil. Por isso vamos aproveitar o bom momento da minha parceira para irmos longe no evento. Foi uma pena termos perdido para o Paraguai, mas, por outro lado, a Mont deve estar a mil. Tem tudo para ser positivo para nós.



Em simples, minha estreia foi hoje contra a taiwanesa Pei Ju Chien, que precisou passar pelo qualifying. Conheço bem minha adversária, ela tem apenas 16 anos e já vem jogando o circuito juvenil brasileiro há algum tempo. Ela é canhota e joga bem flat. Mas consegui vencê-la por 6-3 e 7-5. Na próxima rodada, nesta quarta, enfrento a romena Andreea-Cristina Mitu, cabeça-de-chave 2.

O ITF US$ 25 mil de São Paulo é apenas o primeiro de uma gira de sete competições em solo nacional. Após o evento no Club Paulistano, jogo o qualifying do Rio Open, o ITF US$ 25 mil de Campinas, o ITF US$ 25 mil de Curitiba, o ITF US$ 10 mil de São José dos Campos, o ITF US$ 10 mil de Ribeirão Preto e o ITF US$ 10 mil de São José do Rio Preto.

Quero aproveitar ao máximo essa gira brasileira e conto com a torcida de vocês!

Beijos,

Laura

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Rumo ao Rio Open 2015

Em ação na primeira rodada do Rio Open 2014 (Foto: Divulgação)
Oi pessoal!

Preparando-me para o ITF US$ 25 mil de São Paulo nesta semana, recebi uma boa notícia vinda do Rio de Janeiro. Fui contemplada com um convite para disputar o qualifying do Rio Open, competição WTA de nível International, entre os dias 14 e 15 de fevereiro no Jockey Club Brasileiro.

Estou muito empolgada por ter a oportunidade de jogar o torneio mais uma vez. Em 2014, disputei a chave principal e cai na primeira rodada diante da espanhola Silvia Soler-Espinosa, mas a experiência que adquiri foi muito boa e contribui bastante para o meu amadurecimento em quadra.

A organização do Rio Open também contemplou minhas colegas Carolina Meligeni Alves e Gabriela Cé com os dois wild cards restantes para a fase classificatória.

O diretor do torneio, Luiz Carvalho, comentou o quanto é importante pra gente disputar eventos WTA para nos acostumarmos cada vez mais com o alto nível de competitividade, seguindo os passos da Teliana Pereira, número 1 do país em simples.
 Ele disse que representamos a nova geração do tênis feminino brasileiro e estamos batalhando no circuito, tentando seguir os passos da Teliana, que quase não temos oportunidades de jogar grandes torneios em casa e que o convite para o quali do Rio Open vai propiciar uma ótima experiência pra gente, afinal vamos treinar e enfrentar tenistas do primeiro escalão da WTA.

Mais uma vez só tenho a agradecer pelo reconhecimento e pela chance de disputar o maior torneio da América do Sul novamente.

Muito obrigada, Rio Open! A gente se vê na próxima semana!

sábado, 31 de janeiro de 2015

Vice-campeãs no Caribe

Campeãs e vice-campeãs em Petit-Bourg
Com meu treinador Renato Messias. Valeu, coach!

E assim encerrei a gira pelo Caribe!

Com o vice de duplas aqui em Petit-Bourg. Na final, perdemos para Bloomfield e Leduc por 2/6, 6/4 e 10/8 em um jogo duríssimo.

Uma pena porque tivemos muitas chances e não conseguimos aproveitá-las. Mas tênis é assim e temos que levar tudo como aprendizado.

Essa foi só a primeira gira do ano e estou satisfeita com meu desempenho. Um vice e duas semifinais de duplas, oitavas de final em simples e muitos jogos na bagagem.

Agora volto ao Brasil e me preparo para uma série de sete torneios em casa. Venho confiante, com ritmo e com a certeza de que essa temporada será incrível.

Obrigada pelo carinho de todos e sigo na luta. Afinal 2015 está só começando!

Beijos,

Laura

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Na final em Petit-Bourg

Com minha parceira Maria-Fernanda Alvarez-Teran

Oi pessoal!

Disputo hoje a final de duplas aqui em Petit-Bourg junto com a boliviana Maria-Fernanda Alvarez-Teran.

Ontem fizemos uma boa partida, ganhamos o primeiro set por 6/1 sem dar chance alguma para as canadenses. Na segunda parcial, elas começaram a melhorar e acertaram bolas arriscadas, levando o set.

No match tiebreak, a gente conseguiu abrir uma vantagem após o 4/4, que foi essencial para garantirmos a vitória por 10/8.

Nas simples, perdi no detalhe para a francesa Brandy Mina em mais de 3h de partida, mas salvei cinco match points, virei set praticamente perdido. O saldo, com certeza, é positivo. Tênis é assim, um dia você ganha e no outro você aprende uma lição.

O importante é que estou confiante hoje para fechar essa gira pelo Caribe com chave de ouro. Vamos jogar contra outra dupla do Canadá, Ayan Broomfield e Marie-Alexandre Leduc, a partir das 21h30 no horário de Brasília.

Obrigada pelas mensagens e vamos com tudo em busca desse troféu. Com certeza, será o primeiro de muitos!

Conto com a sua torcida!

Beijos,

Laura

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O belo complexo Gael Monfils

Oi pessoal!

Terei o prazer de jogar essa semana aqui em Petit-Bourg, em Guadalupe, no belo complexo Gael Monfils, que tem sete quadras, sendo uma de tennis fast, uma de carpete com saibro, duas de mini tênis, quadra central com arquibancada para setecentos espectadores, um paredão, um ginásio para artes marciais e toda estrutura necessária para um torneio, como sala dos jogadores e sala de arbitragem.

O complexo leva esse nome porque fica no mesmo bairro em que nasceu a família do Monfils e decidiram fazer uma homenagem a ele. Bem legal, né?

Nesta terça-feira estreio em simples e duplas. Ao meio-dia, enfrento a francesa Ann-Sophie Porry. Não a conheço, mas como toda francesa deve jogar plano. Terei que me manter focada e intensa o tempo todo.

Nas duplas, vou disputar a chave com a boliviana Maria-Fernanda Alvarez-Teran. Minha parceira nas últimas semanas, a argentina Victoria Bosio,  acabou machucando o tornozelo, mas estou confiante em mais uma semana boa.

Estou jogando num nível muito bom. Os treinos estão cada vez melhores e só tenho que manter essa mesma intensidade. Vamos com tudo!

Imagens do complexo Gael Monfils, na ilha de Guadalupe, feitas pelo meu treinador Renato Messias:

video